Capoeira não foge a luta e marca presença em ato “Justiça por Moïse”

Date:

Compartilhe esta postagem:

“Na hora da dor, o Berimbau se transforma em uma arma”

Com o espírito desta potente fala acima, de autoria de Vicente Ferreira Pastinha, uma de nossas referências da Capoeira Angola, representantes de diversos segmentos da Capoeira do Rio de Janeiro participaram, no dia de ontem (05/02), de ato público na Barra da Tijuca, por Justiça para Moïse, Congolês assassinado brutalmente em um dos quiosques da Barra da Tijuca.

No estado do Rio de Janeiro, mais de 260 entidades confirmaram presença no ato no Posto 8 e quem participou, como nós, pode verificar de perto a indignação da população contra o racismo que a cada dia mata os nossos e as nossas, em particular pretos e pretas.

Mestre Paulão Kikongo, Mestra Renatinha, Mestra Darlene e Contramestra Agbara

Brasil clama por justiça

Atos com pedidos de Justiça pelo assassinato do jovem refugiado congolês Moïse Kabamgabe foram realizados em diferentes cidades do país e em, pelo menos, três países neste sábado, dia 05 de fevereiro.

No Rio de Janeiro, local onde aconteceu o crime, no quiosque Tropicália, na Avenida Lúcio Costa, Posto 8, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, as manifestações tiveram início às 10 horas.

Com representantes de mais de 260 entidades, militantes do movimento negro, apoiadores das lutas antirracistas e capoeiristas dos mais diversos Grupos, Associações, Fóruns de Capoeira do estado do Rio de Janeiro, Fórum de Capoeira de Niterói e do Movimento Capoeira é Nossa Bandeira, este ato, além de mostrar para a sociedade que ninguém aguenta mais a letalidade contra nossos irmãos e irmãs negros e negras, apresentou, ainda, outras demandas das diversas comunidades do Rio de Janeiro, que pediram um basta a todas as formas de violência, em particular àquelas praticadas pelo próprio Estado.

Mestra Darlene ao Berimbau e atrás, com outro Berimbau a Mestra Renatinha
ContramestrA Celi, Vereadora Walkíria Nictheroy (PCdoB/RJ), Mestre Paulão Kikongo, Mestra Renatinha, Contramestra Agbara e Mestra Darlene

Mestre Paulão Kikongo (Rádio Capoeira e Kilombarte) Mestras Renatinha (Grupo Capoeira Senzala), Mestre Marron (Grupo Capoeira Angola Ngoma), Mestra Darlene (Aliança Ariri Capoeira), Mestre Zezeu (Capoeira Estilo Livre), ContramestrA Celi (Associação de Capoeira Angonal) e Contramestra Agbara (Cia da Capoeira) foram algumas das pessoas da Capoeira que estiveram presentes.

Mestre Marrom no comando de uma das Rodas de Capoeira no ato “Justiça por Moïse”. Foto: Beatriz Salgado.

Segundo Marcio Madeira, presidente do IPCN (Instituto de Pesquisa da Cultura Negra) e membro do comando de organização do ato: “A revolta contra esse assassinato mobilizou as pessoas. A violência não pode ser naturalizada e esse é o grito que estamos dando.  Não podemos continuar numa sociedade racista, que a toda hora mata um negro. A morte de Moïse servirá para dizermos que não ficaremos calados. Essa semana foi o Moïse e o Durval, em São Gonçalo. Temos que dar um basta. Os negros querem poder viver.”

Contramestra Agbara e Mestre Paulão Kikongo

Durante a semana diferentes entidades divulgaram manifestos de protesto pelo assassinato e em apoio às ações por Justiça. Entre elas estiveram a Portela, o Renascença, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a OAB/RJ, a Associação Religiosa Israelita (ARI), o Instituto Brasil Israel e a Frente Inter Religiosa Dom Paulo Evaristo Arns por Justiça e Paz. A Assembleia Legislativa do Rio aprovou uma moção de repúdio ao assassinato.

Mestra Renatinha, Professora Mônica, Mestre Zezeu, ContramestrA Celi e Mestra Darlene.

Com informações do Comando de Organização do Ato no Rio de Janeiro.

Fotos gentilmente cedidas pela Mestra Darlene.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Campanha dos 21 Dias de Ativismo contra o Racismo se inicia no dia 5 de março com diversas atividades

A partir de seu embrião, em 2016, neste ano a Campanha 21 Dias de Ativismo Contra o Racismo...

Espaço Brincante recebe Mestre Russo de Caxias para vivência e roda de capoeira

Documentário, vivência e aulão de capoeira para todas as idades é a programação deste domingo no Espaço Brincante...

Dique do Tororó recebe o Movimento Cadê Salomé para roda de capoeira e prosa neste final de semana

Com a participação da Mestra Lilu, mulher, mãe, capoeirista e pesquisadora e de Professora Negona, mulher negra, amante...

Nessa Roda tem Mandinga! Mandinga de Mulher!

O Programa Mandinga de Mulher, uma parceria entre a Rádio Capoeira e o Grupo de Estudos e Intervenção...