S u s t e n t a b i l i d a d e

Date:

Compartilhe esta postagem:

Reflexões de um capoeira rumo aos sessenta anos de idade

Luiz Renato Vieira via Guest Post

Doutor em Sociologia e Mestre de Capoeira do Grupo Beribazu

A capoeira nos proporciona inúmeras descobertas. Mas, também, alguns desafios. Com as redes sociais, aumentou o glamour e, para alguns(mas), a necessidade de reconhecimento dos nossos pares. Entretanto, como tudo na vida, isso passa. Podemos prolongar bastante, com esforço e dedicação, mas uma hora passa. Definitivamente.

Em um determinado momento, vamos nos dar conta de que a idade já não permite tantos eventos, tantas viagens. As limitações da saúde e a perda progressiva da energia são naturais ao envelhecimento. A estruturação da família e a chegada dos filhos (para quem deseja tê-los) são grandes desafios para o/a capoeirista.

Foco no treino é importante para a capoeira, mas planejar o futuro é essencial para a vida.

Para aqueles que possuem outra profissão para assegurar o futuro, pode ser mais simples. Mas é ético e correto disseminar a ideia de que a capoeira, por si só, sem qualquer planejamento, garantirá a todos e todas o conforto na velhice?

Com a chegada em massa da mulher na capoeira, essa reflexão se torna ainda mais oportuna. Todas as estatísticas demonstram que a idade atinge de forma diferenciada homens e mulheres no mercado de trabalho. Na capoeira, as desigualdades de gênero não são menores, muito pelo contrário. As mulheres, a partir dos 40, têm menos oportunidades que os homens na mesma faixa etária, e com renda menor. Em breve, teremos um grande contingente de professoras e Mestras precisando lidar com essa realidade.

Você planeja sua carreira para os momentos de dificuldade e para a realidade que vai enfrentar daqui a cinco, dez ou vinte anos?

Você tem pensado em alternativas para que a capoeira continue sempre presente na sua vida, e para que você consiga envelhecer com dignidade, com suas necessidades básicas devidamente atendidas?

Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

1 COMENTÁRIO

  1. De fato, a situação do homem e a da mulher na capoeira são bem diferentes. Se para o homem, a idade é ainda sinônimo de prestígio, nem que seja simbolicamente, para a mulher envelhecer significa em geral perder valor (o valor da mulher está vinculado a seu papel de objeto sexual). Assim, penso eu, o que já é problema para eles torna-se ainda mais preocupante para elas. Se preparar é importante, a dúvida, porém é preciso lutar para que essa desigualdade não afete ainda mais as mulheres capoeiristas já vc penalizadas, quando jovens, pelo cuidado aos filhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Campanha dos 21 Dias de Ativismo contra o Racismo se inicia no dia 5 de março com diversas atividades

A partir de seu embrião, em 2016, neste ano a Campanha 21 Dias de Ativismo Contra o Racismo...

Espaço Brincante recebe Mestre Russo de Caxias para vivência e roda de capoeira

Documentário, vivência e aulão de capoeira para todas as idades é a programação deste domingo no Espaço Brincante...

Dique do Tororó recebe o Movimento Cadê Salomé para roda de capoeira e prosa neste final de semana

Com a participação da Mestra Lilu, mulher, mãe, capoeirista e pesquisadora e de Professora Negona, mulher negra, amante...

Nessa Roda tem Mandinga! Mandinga de Mulher!

O Programa Mandinga de Mulher, uma parceria entre a Rádio Capoeira e o Grupo de Estudos e Intervenção...