Carnaval de Salvador terá serviço para denúncias de racismo e violência

Date:

Compartilhe esta postagem:

A uma semana do carnaval, as cidades brasileiras estão a todo vapor com os preparativos para a festa. Salvador, cidade que sedia uma das maiores comemorações da data no Brasil, aproveita a oportunidade para promover a igualdade de raça e gênero entre a população. Para isso, o governo local vai disponibilizar aos foliões, pelo quarto ano consecutivo, o Observatório da Discriminação Racial e da Violência contra a Mulher.

O projeto, uma iniciativa implementada pela Secretaria Municipal de Reparação (SEMUR), da Prefeitura de Salvador, tem o objetivo de receber denúncias sobre atos de racismo ou de violência e, dessa forma, aumentar o acesso aos serviços disponíveis para a população da cidade.

“O enfrentamento da discriminação racial e da violência contra mulheres é um compromisso de toda a sociedade. Iniciativas como a do observatório ajudam a subsidiar e aperfeiçoar as políticas públicas nessas questões, daí a importância de se estender essa iniciativa para além do período de carnaval”, afirmou Fernanda Lopes, responsável pela área de direitos no UNFPA.

O observatório surgiu em 2005, a partir da constatação de que, no carnaval do ano anterior na capital baiana, das quase quatro mil vítimas de violência por causas externas (agressões físicas, armas brancas e de fogo), mais de 70% eram negras. Além de ser a maior cidade negra fora da África, Salvador é predominantemente feminina, com uma população de 52% de mulheres.

Para colocar o trabalho em prática, a Semur conta com parceria da Defensoria Pública da Bahia, da Fundação Cultural Palmares, da Secretaria de Estado de Promoção da Igualdade (SEPROMI) e do Fundo de População das Nações Unidas, UNFPA, entre outras instituições. Em 2009, como parte do projeto de cooperação entre o governo local e o UNFPA, foi incluído o tema “saúde sexual e reprodutiva e direitos” na capacitação dos profissionais que vão atuar durante o carnaval.

Serviço

A partir do dia 17 de fevereiro, se presenciar algum ato de racismo ou violência, denuncie pelo Disque 156 ou um dos postos do Observatório da Discriminação Racial e da Violência contra a Mulher, cuja sede fica no prédio da Secretaria Municipal de Reparação, Ladeira de São Bento, nº 74.

Fonte: ONU Brasil


Este artigo pertence ao Berimblog | Blog oficial de Mestre Paulão.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Campanha dos 21 Dias de Ativismo contra o Racismo se inicia no dia 5 de março com diversas atividades

A partir de seu embrião, em 2016, neste ano a Campanha 21 Dias de Ativismo Contra o Racismo...

Espaço Brincante recebe Mestre Russo de Caxias para vivência e roda de capoeira

Documentário, vivência e aulão de capoeira para todas as idades é a programação deste domingo no Espaço Brincante...

Dique do Tororó recebe o Movimento Cadê Salomé para roda de capoeira e prosa neste final de semana

Com a participação da Mestra Lilu, mulher, mãe, capoeirista e pesquisadora e de Professora Negona, mulher negra, amante...

Nessa Roda tem Mandinga! Mandinga de Mulher!

O Programa Mandinga de Mulher, uma parceria entre a Rádio Capoeira e o Grupo de Estudos e Intervenção...